PLANO DE CURSO  
ANO: 2020
 
CURSO: BACHARELADO EM QUÍMICA INDUSTRIAL E LICENCIATURA EM QUÍMICA SÉRIE: 4
DISCIPLINA: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS    
 

Aulas Teóricas: 37

A) EMENTA
A história da surdez e a educação do sujeito surdo no Brasil: questões sobre o programa de inclusão. Caracterização e desenvolvimento da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS): aspectos lógicos, morfológicos e gramaticais (sintaxe).
B) OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS
• Conhecer os documentos legais relacionados à Libras, compreendendo e analisando, criticamente, suas implicações.
• Aprender a Libras, em nível básico, e sua construção histórica.
• Conhecer a história da educação dos Surdos, analisando as diferentes concepções presentes em cada uma de suas fases.
• Aprender a gramática da Libras, conhecendo seus diferentes planos linguísticos e compreendendo suas singularidades.
• Comunicar-se por meio da Língua Brasileira de Sinais.
• Compreender, criticamente, o processo de inclusão escolar de alunos surdos e suas dimensões, bem como os saberes docentes necessários para torná-lo possível, especialmente, no âmbito do ensino de Química.
• Conhecer a inter-relação entre a Língua Brasileira de Sinais e as comunidades surdas.
• Compreender a importância da educação bilíngue para o aluno Surdo.
• Compreender quais são as competências do intérprete de Libras–Língua Portuguesa e sua importância dentro da sala de aula.

C) BASES TECNOLÓGICAS (CONTEÚDO PROGRAMÁTICO)
1) Surdez
a. definição
b. classificação
c. etiologia
2) Aspectos históricos da Educação dos Surdos
a. Oralismo
b. Comunicação Total
c. Bilinguismo (Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para Surdos)
3) Histórico
4) Aspectos Legais
a. Lei 10.436/2002
b. Decreto 5.626/2005
5) Surdez: conceitos e identidades
6) Inclusão Educacional
a. políticas públicas e realidade escolar
b. saberes docentes necessários ao processo de inclusão escolar de alunos surdos
c. o papel do intérprete no processo educacional inclusivo
d. Educação de surdos no Ensino Infantil e Fundamental (séries iniciais)
e. A avaliação em libras com uso de recursos visuais, eletrônicos e tecnológicos
f. Ensino de Química no contexto inclusivo de alunos surdos
7) LIBRAS: questões linguísticas, sociais e culturais.
a. Características e recursos linguísticos (alfabeto datilológico e números)
b. Mitos sobre as Línguas de Sinais
c. Usos e convenções
d. Vocabulário Básico
e. Vocabulário relacionado à química 8) Aspectos linguísticos
a. Plano Fonológico
b. Plano Morfológico
c. Plano Sintático
d. Plano Semântico

D) ATIVIDADES DISCENTES
Aulas teóricas e práticas. Aulas expositivo-dialogadas e atividades em grupo. Leitura e discussão de artigos científicos. Vivência da conversação em Libras. Exibição de vídeos e uso de diferentes recursos.

E) AVALIAÇÃO
Os instrumentos utilizados para a avaliação serão: provas escritas e práticas, trabalhos em grupo, pesquisas e atividades que promovam a comunicação em Libras. Espera-se que os alunos atinjam aos objetivos propostos.


Bibliografia Básica
FRIZANCO, M. L. E. Livro ilustrado da língua de sinais: desvendando a comunicação usada pelas pessoas com surdez. São Paulo: Ciranda Cultural, 2011.
BRASIL. Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua brasileira de sinais - Libras e dá outras providências. Brasília: MEC, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm.
_____. MEC. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436/2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinas - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098/2000. Brasília: MEC, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm.

Bibliografia Complementar
PEREIRA, M. C. da C. (org). LIBRAS conhecimento além dos sinais. São Paulo: Person Prentice Hall, 2011.
LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; SANTOS, Lara Ferreira dos. (Orgs.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2014.icologia, USP, 1998.