PLANO DE CURSO  
ANO: 2020
 
CURSO: ENFERMAGEM SÉRIE: 5
DISCIPLINA: ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS    
 

Aulas Teóricas: 76

A) EMENTA

A disciplina visa aperfeiçoar o conhecimento relativo à busca da literatura em saúde e análise critica da metodologia, resultados e conclusões dos estudos publicados a fim de capacitar o aluno a utilizar adequadamente as evidências em saúde como embasamento para sua prática.


B) OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS

-Aperfeiçoar o conhecimento dos principais desenhos de pesquisa em saúde.
-Reconhecer a prática baseada em Evidências como ferramenta de auxílio na tomada de decisão em saúde.
-Conhecer os principais vieses que podem estar presentes nas pesquisas em saúde.
-Saber elaborar e identificar questões de pesquisas e relacioná-las aos desenhos dos estudos.
-Realizar análise crítica da literatura classificando as evidências obtidas nos estudos.


C) BASES TECNOLÓGICAS (CONTEÚDO PROGRAMÁTICO)

-Classificação dos estudos integradores: Revisão Sistemática da Literatura e Metanálise; Estudos de Custo-Benefício e Efetividade; Diretrizes para a Prática Clínica; Estudos de Variação Terapêutica - Tomada de decisão em saúde; Diretrizes Clínicas; Guidelines.
-Classificação dos estudos individuais: Estudos de prevalência (estudos transversais); Estudos de Acurácia (estudos diagnósticos); Estudos de prognóstico (estudos de coorte); Estudos de Tratamento e Estudos de Profilaxia (ensaio clínico randomizado).
-Elaboração, utilização e validação de instrumentos de pesquisa.
-Viés de estudo em saúde: na amostra, na metodologia, na coleta dos dados, na análise dos dados, nos resultados, na conclusão dos autores.
-Conflitos de interesse nas pesquisas em saúde.
-Classificação Hierárquica das Evidências.


D) ATIVIDADES DISCENTES

Atividades Discentes
Os estudantes deverão realizar Pesquisas, Seminários e Dinâmicas de Grupo para o desenvolvimento dos temas, conforme indicado para estudo extra-aula.

Atividades Práticas
Os estudantes realizarão pesquisa nas bases de dados eletrônicas e análise crítica da literatura de saúde, em grupo, a fim de aprimorarem suas habilidades em encontrar os estudos indexados disponíveis.


E) AVALIAÇÃO

Os estudantes serão avaliados por meio de Provas Teóricas, Apresentação de Trabalhos, Apresentação de Seminários, participação nas Dinâmicas de Grupo de Análise Crítica, além da sua participação nas atividades propostas intra e extra-aula, interesse, e evolução do conhecimento.


F) BIBLIOGRAFIA

BÁSICA

ALCANTARA, G. A enfermagem moderna como categoria profissional: obstáculos à sua expansão na sociedade brasileira. Ribeirão Preto, 1966. Tese (cátedra) Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP.
ALMEIDA, M. C. P. & ROCHA, J. S. Y. O saber da enfermagem e sua dimensão prática. São Paulo: Cortez, 1986. Ba/Pesq. 03. ANGERAMI, E. L. S. O mister da investigação do enfermeiro. Rev. Lat. Am. Enf. nº 1 v. 1, 11-22 p.
BACKES, D. S.; GUEDES, S. M. B.; RODRIGUES, Z. C. Prevenção de úlceras de pressão: uma maneira barata e eficiente de cuidar. Nursing (São Paulo) 1999. fevereiro; 2(9):22-7.
CARVALHO, A. C. Orientação e ensino de estudantes de enfermagem no campo clínico. São Paulo, 1972. Tese de Doutorado - Escola de Enfermagem USP.
CHAVES, L. D.; PIMENTA, C. A. M. Controle da dor pós operatória: comparação entre métodos analgésicos. Rev. Latino-am. Enf. 2003 março-abril; 11(2):215-219.
FERREIRA SANTOS, C. A. A enfermagem como profissão (estudo num hospital/escola). São Paulo: Pioneira, Ed. USP, 1973.
GEOVANINI, T; MOREIRA, A; SCHOELLER, S. D; MACHADO, W. C. A. História da Enfermagem. Versões e Interpretações. 2 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2002. Reimpressão, 2005.
LOPES, C. M. A produção dos enfermeiros assistenciais em relação à pesquisa em enfermagem em um município paulista. Ribeirão Preto, 1983. Dissertação Mestrado. Escola de Enfermagem Ribeirão Preto - USP.
MARGARIDO, E. S. Aferição do tempo e do custo médio do trabalho da enfermeira na consulta de enfermagem em ambulatório de cardiologia. São Paulo: EE-USP; 2004.
MELNY, B. M.; FINEOUT-OVERNEOUT, E. Making the case for evidence-based practice. In Melny BM, Fineout-Overneout E. Evidence-based practice in nursing & health care. A guide to best practice. Philadelphia: LWW; 2005. p. 3-24.
MUNHOZ, S.; RAMOS, L. H.; CUNHA, I. C. K. O. Custo-padrão dos procedimentos de enfermagem na assistência ao paciente em terapia intensiva. Acta Paul. Enf. 2003 outubro-dezembro; 16(4):77-85.
ORTIZ, D. C. F.; GAIDZINSKI, R. R. O custo do material de consumo na visão dos profissionais de enfermagem. Nursing (São Paulo) 1999 novembro; 2(18):28-34.
RODRIGUES, V. A.; PERROCA , M. G.; JERICÓ, M. C. Glosas hospitalares: importância das anotações de enfermagem. Arq. Ciênc. Saúde 2004 outubro-dezembro; 11(4):210-214.
TELLES, S. C. R. Custo de pessoal na assistência direta de enfermagem em unidade de terapia intensiva. São Paulo: EE-USP; 2003.
TONON, M. L.; TOMO, T. T.; SECOLI, S. R. Farmacoeconomia: análise de uma perspectiva inovadora na prática clínica da enfermeira. Texto & Contexto - Enfermagem. 2008 janeiro-março; 17(1):177-182.
VASQUES, C. I.; RODRIGUES, C. C.; REIS, P. E. D.; CARVALHO, E. C.; Assistência de enfermagem a portadores de linfoma de hodgkin submetidos a quimioterapia: revisão integrativa. Online Brazilian Journal of Nursing. 2008; 7(1).
ZEITOUN, S. S. et al. Sistema aberto de aspiração endotraqueal x sistema fechado de aspiração endotraqueal: relação custo/benefício e implicações para a assistência de enfermagem. Acta Paul. Enf. 2000; 13(Ed. esp. Parte II):230-233.


COMPLEMENTAR